Patagônia II – A Imensidão do Glacial Perito Moreno

Após cinco belos dias em Ushuaia, conhecendo, descobrindo e aproveitando cada segundo da estadia, me preparei para a segunda parte da minha viagem em solo argentino. Para encerrar minha viagem pelos lindos cenários da Patagônia argentina peguei um avião e desembarquei na bela cidade de El Calafate, uma cidade pequena, às margens do Lago Argentino.

El Calafate é uma cidade realmente linda. Pequena, mas muito charmosa. Suas ruas são limpas, com bastante opções de restaurantes e bares no centrinho e, de modo geral, um pouco mais barata do que Ushuaia. Andar pela cidade é muito fácil, até mesmo pelo seu tamanho geográfico, podemos encontrar basicamente tudo nas duas avenidas que cortam o centro da cidade. Inclusive uma das principais atrações da cidade é o Yeti Ice Bar, o “bar de gelo”, onde podemos curtir uns drinks e curtir a temperatura média de -11ºC em seu interior.

Mas a principal atração da cidade e o maior motivo que a faz atrair milhares e milhares de turistas todos os anos é o incrível e absurdamente grande Glacial Perito Moreno. E não foi diferente comigo, desde que pisei na cidade, não via a hora de ir conhecer e caminhar sobre a famosa geleira.

Localizado a 80km de distância de El Calafate, o Glacial Perito Moreno é a terceira maior área de gelo do planeta e a maior geleira da Patagônia Argentina. Com seus imponentes 60 metros de altura e 5km de largura, o glacial já é visível enquanto ainda estamos no ônibus, adentrando o Parque Nacional Los Glaciares. São 250km² cobertos por gelo patagônico.

Mas enfim, como é o passeio? Simples. Podemos comprar esse passeio em uma das diversas agências espalhadas pelo centro de El Calafate, e existem diversas opções de passeio e, em duas delas, podemos caminhar sobre a geleira. Escolhi fazer o Mini-Trekking, uma caminhada de uma hora e meia sobre o glacial. Para os mais esportivos, existe a opção Big Ice, onde a caminhada é de aproximadamente três horas e com mais pontos para explorar. No dia e horário marcados o ônibus passa no local em que estamos hospedados ou em algum ponto de encontro combinado e segue rumo ao Parque Nacional Los Glaciares. Ao chegar ao Parque, a primeira parte do passeio consiste em uma curta navegação pelo Brazo Rico (o trecho do lago que sempre está presente nas fotografias) e desembarcamos em uma outra margem, mais próxima à parede gigante. Dessa margem, caminhamos até a estação onde faremos a preparação para, finalmente, “subir” na geleira.

Nessa estação os monitores nos auxiliam a instalar grampões em nossos calçados, e passamos a caminhar como se tivéssemos garras nos pés, para conseguirmos nos manter equilibrados durante a caminhada.

Uma vez que estamos todos prontos os monitores nos levam ao acesso a geleira e dali iniciamos nossa caminhada, sempre em fila indiana, para mantermos a trilha correta. Vale lembrar que estamos sobre uma estrutura imensa e natural, e sair do caminho definido pelos monitores pode acarretar em algum acidente, o que ninguém quer, certo? A caminhada é tranquila e com algumas paradas para nos deleitarmos com a beleza da paisagem e tirar muitas fotografias. Por alguns segundos é possível se desconectar da realidade e ter a sensação de estar vivendo em uma realidade paralela, um outro planeta ou sei lá, tamanha é absurda a experiência.

Terminamos essa caminhada cansados, afinal, noventa minutos de caminhada tendo que prestar atenção em cada passo é bastante tenso. Voltamos ao ponto de onde saímos e de lá partimos para as passarelas, de onde temos, sem dúvidas, as mais belas visões do Glacial.

Ao olhar o paredão de gelo a frente, podemos contemplar a beleza desse gigante branco com tons azulados que nos propõe ainda um espetáculo maravilhoso em conjunto com a luz do sol refletindo no gelo e, principalmente, quando grandes pedaços – grandes não, imensos, sempre imensos rs – de gelo se desprendem da geleira e desabam sobre a água. Esses eventos são comuns e ocorrem várias vezes durante o dia. Primeiro escutamos um forte estrondo e, em seguida, como se fosse em câmera lenta, o gelo desaba sobre a água, criando uma cena maravilhosa, além de grandes ondas que dão uma chacoalhada nos barcos que passam não longe dali.

O passeio termina no fim da tarde e todos, exaustos, voltamos a nossos hotéis para descansar após um dia agitado, mas que com certeza, marcou para sempre a vida de todos.

Obrigado por estar comigo mais essa semana. Nos vemos na semana que vem. 🙂

Henrique Oliveira
@henriquememo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *